quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

A gestão de ganhos de Hillary Clinton


Em comunicação política, é cada vez mais comum falar-se de «gestão de danos».

A esfera pública está tão propensa a que se perca o controlo da mensagem que uma parte importante de uma campanha, ou da estratégia comunicacional de um mandato político de relevo, passa por evitar erros e ter a capacidade de os minimizar.
Quando se trata de uma campanha presidencial americana, então, essa necessidade surge como ainda mais prioritária, tão alargado é o campo de risco e são os fatores de distração.
O calendário político na América está cada vez mais apertado nas folgas e prolongado nos momentos decisivos.
Entre posicionamento de candidaturas, recolha espontânea de opiniões do eleitorado, anúncios de intenções, recolha de fundos, avanço de candidatos, época de primárias partidárias e a campanha eleitoral propriamente dita, uma corrida presidencial nos EUA passou a demorar, pelo menos, dois anos.
Quer isto dizer que o tiro de partida para a sucessão de Barack Obama na Casa Branca está quase a ser dado.
O que é que dizem as sondagens de primeiras impressões para 2016? 
Dizem-nos, essencialmente, duas coisas: 
que do lado republicano tudo está ainda em aberto, com um amplo e diverso leque de possíveis candidatos (Paul Ryan, Jeb Bush, Chris Christie, Marco Rubio, Ted Cruz, Mike Huckabee e mais alguns) e que no campo democrata só um «terramoto» poderá impedir Hillary Clinton de ser a escolhida.
Na imprevisibilidade que costuma dominar a arena da alta política americana, este dado é absolutamente surpreendente. E até há quem desconfie: «Estará mesmo tudo decidido a favor de Hillary para a nomeação democrata de 2016?»
Por muito que seja prudente colocar reservas quanto à solidez dessa ideia, quanto mais a analisamos, mais percebemos todos os dados jogam a favor da antiga Primeira Dama dos EUA (1993-2001) e chefe da diplomacia americana no primeiro mandato de Obama (2009-2013).
Todas as sondagens dão Hillary Clinton com pelo menos 60% de intenção de voto dos democratas, sendo que algumas a colocam próxima dos... 80%. Todos os possíveis adversários do seu campo (Joe Biden, Elizabeth Warren, Andrew Cuomo, Martin O'Malley) ficam abaixo dos dois dígitos, a 60 pontos ou mais da superfavorita.
Há quem recorde a perda, na reta da meta, para Obama em 2008. Certo. Mas em disputas eleitorais os números contam: e muito. Há oito anos, Hillary partiu para a jornada de 2008 com uma vantagem de 20/30 pontos sobre Barack Obama e John Edwards.
Viria a perder, de forma surpreendente, para Obama, mas um fenómeno como a caminhada do atual Presidente não se repete com frequência. E insisto: a diferença inicial era de 20/30 pontos.
Uma vantagem como a que Hillary tem, de 60/70 pontos, não é reversível num espaço de dois anos.
Mais do que uma candidatura de vitória, a antiga senadora por Nova Iorque fará, assim, uma «gestão de ganhos» até 2016.
É claro que é uma enorme vantagem: mas, por vezes, a ansiedade de quem está assim tão à frente pode ser má conselheira. Há muito mais a perder e não é fácil controlar os ímpetos eufóricos de quem rodeia a candidata.
Traços gerais da campanha Hillary-2016: herdar o melhor dos anos Obama (Reforma da Saúde, consolidação da recuperação económica), apostar numa maior capacidade de consenso com o «outro lado» (claramente o ponto mais fraco do atual Presidente).
Hillary Clinton perdeu, por muito pouco, o comboio da História em 2008. As apostas favorecem-na para 2016. Mas nunca fiando.

Germano Almeida

Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário