sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Adapte-se!


A Internet veio para ficar. Os smartphones, os tablets, os portáteis e até os relógios alteraram por completo a forma como acedemos à informação. À rapidez juntou-se a interatividade e a partilha de conteúdos.
A imprensa tradicional teve de adaptar-se, esquecendo-se, no entanto, de adaptar os seus princípios editoriais à nova comunicação digital. Os novos meios de comunicação com presença exclusivamente online são mais ‘transparentes’ e permitem um maior envolvimento dos leitores.
Esta é, de resto, uma das conclusões mais interessantes de um estudo publicado pelo Reuters Institute for the Study of Journalism.
O estudo “Accuracy, independence and impartiality: How legacy media and digital natives approach standards in the digital age” da autoria da jornalista Kellie Riordan, da Australian Broadcasting Corporation, compara as publicações de origem digital Quartz, BuzzFeed e Vice News e as tradicionais Guardian, New York Times e BBC.
Segundo o estudo, os novos meios online optam por uma informação enquadrada no universo da internet, num ‘tom mais convencional, opinativo e social”, disponibilizando os links para as fontes de informação originais- uma prática muito pouco comum nos meios tradicionais.
A falta de espaço na comunicação online é, à partida, um problema que não se coloca. Como tal, eventuais atualizações de informação, notícias de última hora, direitos de resposta ou correções são perfeitamente toleradas.
 A autora recomenda, por isso, aos meios tradicionais com presença digital que façam uma reflexão para testar se os seus princípios editorais se “ainda são relevantes no século XXI”.
Dulce Salvador

Reacções:

0 comentários:

Enviar um comentário